MARCO TÚLIO DA BORRACHALIOTECA: ENCONTROS PRA FALAR DE LEITURA

Até 5 de julho de 2015, estarei em Belo Horizonte, cidade do meu coração e como gosto muito de contar o que presencio nessas paragens, não poderia deixar de apresentar dados sobre o primeiro Festival Literário de Belo Horizonte, ao qual ainda está ocorrendo. Ontem, ao encontrar o amigo Marco Túlio Damascena (idealizador da Borrachalioteca de Sabará) percebi que não havia partilhado o texto que escrevi para a Revista Biblioo em setembro de 2014, no qual relato nosso encontro naquele ano. Marco Túlio é parceiro da biblioteca criada no Brechó Macanudo, junto com minha filha Camila Magalhães, em Belo Horizonte. Leia o relato abaixo e conheça um pouco mais sobre esse personagem apaixonado por leitura.



.........................


Sabará é uma bonita cidade mineira que guarda muito da memória colonial do Brasil. Com grande potencial turístico, a localidade, que possui entre outros equipamentos culturais, uma biblioteca pública, também dispõe de uma instituição conhecida popularmente pelo nome de Borrachalioteca.

Em junho deste ano, peguei um ônibus com destino a Sabará, localizada cerca de 25 quilômetros de Belo Horizonte, com o objetivo de rever Marco Túlio Damascena. A primeira vez que conversamos foi em 2007. Na época ele havia acabado de receber o Prêmio Viva Leitura, por sua ação com a Borrachalioteca, na categoria bibliotecas públicas, privadas e comunitárias.

O Prêmio, concedido pelos Ministérios da Cultura e da Educação e pela Fundação Santillana, trouxe grande popularidade para o projeto que nasceu no ambiente comercial da família. A ideia surgiu em 2002 quando Marco Túlio, estudante do curso de Letras, passou a deixar livros no espaço da borracharia do pai. Os clientes gostaram da novidade e enquanto aguardavam pelo reparo nos pneus, se distraiam com a leitura.

Da união com pneus, clientes, livros e leitura surgiu a Borrachalioteca. Com cerca de setenta títulos, adquiridos por meio de doações, em pouco tempo outras pessoas que nem possuíam carro, passaram a procurar o local para pesquisar no acervo. Os pedidos de empréstimos vieram na sequência e o ambiente ganhou efetivamente ares de biblioteca. Hoje ela conta com cerca de dez mil obras focadas em literatura brasileira e possui títulos significativos voltados para o público infantil.

Da conquista ao Prêmio Viva Leitura aos dias atuais: o que mudou?

Sete anos passados desde que tomei conhecimento sobre a Borrachalioteca, sentia curiosidade sobre o andamento do trabalho de Marco Túlio, seus sonhos e conquistas, e não foi surpresa nenhuma encontrar tantas novidades.

Uma delas foi a criação do Instituto Cultural Aníbal Machado, que ocorreu em 2002, gerando assim um caráter mais formal ao trabalho que vinha sendo realizado. Quanto ao espaço físico de empréstimos de livros, além da sede principal (ao lado da borracharia do Seu Joaquim), há também a Casa das Artes, a Sala São Salvador e o Espaço Libertação pela leitura, que funciona no presídio municipal de Sabará.

Uma das grandes surpresas do encontro com Marco Túlio foi constatar a existência de uma cordelteca – biblioteca de cordéis – em Sabará. Instalada na Casa das Artes, a Cordelteca Olegário Alfredo, reúne uma gama de publicações em cordel de diversos autores, inclusive um escrito por Silas da Fonseca intitulado Ventura e Desventuras do Menino Túlio ou a História da Borrachalioteca. A narrativa é sensível e hilariante.As mudanças também se deram pelo enfoque tecnológico. Na sede principal, por exemplo, além dos livros, há computadores com acesso a Internet que nos dias atuais atraem crianças, jovens e adultos. Na Casa das Artes são oferecidos cursos de informática para terceira idade, bem como acesso ao empréstimo de livros. O espaço foi cedido pela prefeitura de Sabará desde 2010, favorecendo assim a execução de atividades que envolvem oficinas, narração de histórias e mediação de leitura.

Marco Túlio adora o que faz e teve a sorte de integrar sua família (esposa e filhos no mesmo projeto). Águida Alves, sua esposa, além de incentivadora é contadora de história e organiza uma série de atividades de mediação de leitura na Borrachalioteca, sendo inclusive, a responsável pela formação do Grupo Arautos da Poesia, que tem a companhia dos filhos Sartre e Cecília, nas apresentações. O grupo já possui cinco anos de atividades e foi criado com o objetivo de estimular crianças, jovens e adultos quanto ao interesse sobre os prazeres da poesia. Os Arautos da Poesia se reúnem para pesquisar obras poéticas e também para planejar como serão declamadas em eventos literários. Conforme apontou Marco Túlio, as apresentações são sempre emocionantes.



A visita que realizei a Sabará, em especial a Borrachalioteca, foi muito interessante. Atrelado ao projeto inicial, pude ver novos espaços abertos, pessoas utilizando serviços, acervos disponíveis para o público e… ouvir Marco Túlio. Ele é uma simpatia e adora falar de livros e leitura. De tudo, o que ficou mais latente foi a percepção de que seu gosto pela leitura lhe rendeu essa excelente ideia, que já gerou muitos frutos. Creio inclusive que a borracharia do seu Joaquim de Sabará é uma das mais famosas do Brasil. Alguém conhece outra com um serviço tão especial?

Fotos: Camila Magalhães




Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

1 comentários:

Clique aqui para comentários
Obrigado pelo seu comentário