O MELHOR EMPREGO DO MUNDO, por Isloany Machado

Conheci o texto "O melhor emprego do mundo" de Isloany Machado por indicação de Rai Lima, que o postou no mural do Caçadores de Bibliotecas. Geralmente, o que recomendam dou uma olhada e se gosto vou até o fim. Com o texto da Isloany foi assim, mas li de um só fôlego e por ter achado tão bacana e relevante solicitei à autora autorização para compartilhar entre outros colegas. Trata de uma visão de alguém de "fora", sobre o fazer bibliotecário e sua importância na intermediação do acesso à informação. Uma reflexão sobre o profissional a frente do setor de referência, muito diferente do que expressou Luis Antônio Giron em seu Dê adeus às bibliotecas. O texto desenvolve também uma posição de responsabilidade usuária. De cumprimento de direitos e deveres no ambiente das bibliotecas. Muito bom!


...............................................................................................................................
O MELHOR EMPREGO DO MUNDO

Outro dia fui à biblioteca devolver um livro. Era um compêndio de psiquiatria enorme e muito pesado, meus braços já estavam ficando moles de carregá-lo. Quando me encostei ao balcão para devolvê-lo encontrei um bibliotecário que devia contar com um pouco mais de 60 anos. Era um senhor de olhos azuis que brilhavam, mas notei que o brilho não era por causa da cor.

Eram dois olhos contornados por uma rede de pequenas fendas, umas paralelas, outras entrecruzadas. Sobre seu nariz pousava uns óculos de aros escuros com o fio de silicone envolvendo a nuca do bibliotecário. Lembrei que quando comecei a usar óculos, eu queria usar a cordinha, mas alguém me disse: “isso é coisa de velho!”. Achava o máximo deixar os óculos caídos despretensiosamente sobre o peito. 

Hoje penso que isso não é coisa de velho, é coisa de quem não pode ficar longe da possibilidade de ver o mundo pelo avesso, com mais nitidez. Eu estava falando do brilho dos olhos dele. Então, não vinha do azul, nem da juventude. O brilho vinha de uma gritante curiosidade pelo saber. 

Quando eu cheguei ele estava folheando “A história da loucura”, de Foucault. Havia uma pilha de livros devolvidos e o bibliotecário, sábio que era, sempre os folheava para saber cada vez mais. O brilho vinha de uma escancarada alegria. Ele me perguntou: “Por que vai devolver o livro? Não gostou?”. Eu ri e disse que já havia lido todo ele (mentira, pois como eu disse, era enorme). Então ele me perguntou se eu já sabia a nova regra de devolução de livros na biblioteca: “Agora, quando o aluno devolve o livro, a gente abre aleatoriamente e faz uma pergunta. Tá preparada?”. 

Eu ri. Fui contagiada pelo bom humor daqueles sulcados olhos risonhos. Imediatamente pensei que ele devia ser mesmo muito feliz, pois tinha o melhor emprego do mundo. Antes que me chamem de alienada, vou dizer o porquê de pensar isso. Não disse que ele tinha o melhor salário do mundo, mas que tinha o melhor emprego do mundo. Todos os livros passam por suas mãos e ele pode saber de muita coisa. Invejei o bibliotecário. 

Imaginei que ele deve ser como aqueles enólogos (especialistas em vinho) que reconhecem um bom livro pelo cheiro. Pensei que deve ser prazeroso folhear um livro antigo e ler uma palavra com algum acento que já não se usa mais devido a um acordo ortográfico. Também deve ser fantástico descobrir entre as folhas algum bilhete esquecido, até mesmo uma traça curiosa, ávida por devorar livros, que tenha sido cruelmente esmagada: um fóssil de traça. Até os espirros valem à pena. Imaginei ainda aquele bibliotecário devolvendo, no final da tarde, aqueles livros nas suas estantes de origem. 

Os livros vizinhos já estariam tristonhos com a presença da ausência de seu companheiro de saber. Além de tudo, o bibliotecário é uma espécie de médico de livros, pois quando eles voltam machucados pelas mãos do aluno, despedaçando-se, o bibliotecário cuida deles, cola suas feridas e os deixam uns dias em repouso. Alguns voltam tão machucados que chegam a perder suas capas. O médico da biblioteca é um cirurgião plástico, ele faz uma capa nova para seu paciente e deixa-o remoçado. Pensei que à noite, todas as noites, deve haver festa quando as portas da biblioteca se fecham.

Os livros comemorando o retorno de seus velhos amigos. É preciso comemorar pelo alívio que sentem ao saber que seu amigo não ficou eternamente perdido na casa de algum aluno displicente ou larápio, e que não voltou mutilado ou aos pedaços. Saí de lá aliviada, pois aquele livro tão pesado que já estava com a devolução atrasada há mais de trinta dias, devia estar sendo esperado com saudades em toda a estante de psiquiatria. Fiquei triste com a longa suspensão que tomei, pois agora não poderei fazer empréstimo tão cedo, mas achei que, diante do estrago causado, eu mereci a suspensão. Então os olhos faceiros e brilhantes do bibliotecário me deram alento.


..........
A autora é Psicóloga Clínica (CRP 14/03820-0) - Psicanalista membro do Fórum do Campo Lacaniano de Mato Grosso do Sul. Especialista em Direitos Humanos pela UFGD e em Avessos Humanos, pelo Ágora Instituto Lacaniano. Mestranda em Psicologia pela UFMS. Despensadora da Ciência e costuradora de palavras por opção. Campo Grande, MS, Brasil. É editora do Blog Costurando Palavras, onde está contido esse e outros bonitos textos.


Foto: Giovanna Consentini
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

6 comentários

Clique aqui para comentários
Obrigado pelo seu comentário