BIBLIOTECA NO BRECHÓ? SIM, UMA BIBLIOTECA MACANUDA!

 

Construída com um tipo de material que geralmente vai para o lixo (caixas de frutas), as estantes da Biblioteca Macanuda foram pensadas para compor um dos serviços do Brechó Macanudo, inaugurado no dia 23 de agosto de 2014, no Bairro Floresta, em Belo Horizonte.

O empreendimento consiste em uma parceria realizada com minha filha Camila Magalhães que tem tudo para gerar bons resultados. O bom foi termos decidido juntas colocar em prática um de nossos sonhos. 


Uma das propostas de nosso trabalho é dar atenção a questão sustentável e pensar mecanismos que possam influenciar outras pessoas a mudar o modo de agir em relação ao consumo, seja na área do vestuário ou em se tratando das práticas leitoras. Até mesmo nossas estantes foram pensadas com esse objetivo, haja vista que depois de lixadas e pintadas, ficaram uma graça e chamam a atenção dos clientes que chegam ao espaço pensando encontrar apenas roupas, calçados e acessórios. 


A maioria dos visitantes se surpreendeu com a possibilidade de poder emprestar os livros que são formados por um acervo de literatura nacional e internacional e também por títulos infantis. Claro que doei para a Biblioteca, exemplares de meus livros Lia sempre e lia e Leo e seus amigos, os livrinhos. Boa parte do acervo porém veio da parceria com o amigo Marco Túlio Damascena, idealizador da Borrachalioteca de Sabará.


...E a Biblioteca Macanuda já tem clientes, como o pequeno da foto com sua mamãe que levaram emprestados os títulos Revolucione sua qualidade de vida, de Augusto Cury e O rinoceronte ri, de Miguel Sanches Neto.


É uma alegria poder aliar o trabalho de vendas com a proposta de livros para serem emprestados. Camila, que gerencia o Brechó Macanudo se entusiasma com a ideia. Ela é formanda do curso de Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG e sempre cultivou o amor aos livros e ações de incentivo à leitura.


O Brechó Macanudo está localizado na rua Ipiranga, n. 180 - Floresta, região que tem se configurado como um polo de lojas de vestuários de segunda mão em Belo Horizonte.

Fotos: Soraia Magalhães
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Obrigado pelo seu comentário