I ENCONTRO DE AGENTES DE LEITURA INDÍGENA - BALANÇO DOS PRIMEIROS DIAS


Teve início no dia 8 de novembro de 2013, em Cuiabá, a 12ª edição dos Jogos dos Povos Indígenas que agrega também o I Encontro Nacional dos Agentes de Leitura Indígenas e I Feira Nacional da Agricultura Tradicional Indígena do Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA.

O dia 9 de novembro foi marcado pelo efetivo início das atividades envolvendo credenciamento dos agentes de leitura e dos produtores indígenas, seguido da solenidade de abertura com representantes do Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA e a Coordenação Geral de Promoção da Cidadania – CGPC.


Na oportunidade, a Coordenadora Geral de Ação Cultural Maria Dione de Souza Ferreira, da Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA, fez referência ao marco de existência dos dez anos do Programa de Bibliotecas Rurais Arca das Letras e sua importância no incentivo à leitura no meio rural do país.

As atividades restritas ao I Encontro de Agentes de Leitura Indígenas, tiveram inicio no dia 10 de novembro contando com a fala da representante da Funai Claudia Bandeira que apresentou um relato das ações da Coordenação Geral de Promoção da Cidadania – CGPC/FUNAI.


Dentre os aspectos apontados por Claudia, destacaram-se informações e explicações do trabalho realizado pelo CGPC, bem como aspectos sobre cidadania, autonomia, dependência, interdependência entre outros.


Depois, foi a minha vez de tocar o tema que tanto gosto: leitura e sua relação com as atividades práticas. Na oportunidade, apresentei LIA SEMPRE LIA, bem como outros livros tratando de técnicas para mediação de leitura. 


No mesmo dia, cada participante teve seu momento para falar de suas experiências frente as ações como agentes de leitura em suas comunidades, foram apontados desafios, dificuldades e conquistas. Um momento muito especial. 


Um destaque das falas ficou por conta da agente de leitura Alcineia Pinho Cadete que junto com sua mãe realizam trabalho na comunidade Macuxi em Cantá (Roraima) que já chamou diversas vezes atenção da mídia. 

A programação realizada no dia 11 de novembro, contou com a participação da representante da Ministério da Cultura  Déborah Castor, que trouxe em sua fala, relevantes informações sobre o plano setorial para as culturas indígenas do MINC.


Como atividade extra cultural, foi realizado um momento musical com o jovem da etnia Umutina. Sua música contava a saga de seu povo e a luta pela preservação da sua cultura.


Meu último dia de atividades em Cuiabá, foi no dia 12 e transcorreu de forma muito proveitosa, apesar dos transtornos provocados por um forte temporal que desabou sobre a cidade, deixando a região do Sucuri enlameada, mas assim mesmo o público compareceu ao evento, inclusive várias escolas...


Dois videos foram apresentados para os agentes de leitura. Vida Maria, curta-metragem de Márcio Ramos que narra a trajetória da menina Maria José que é levada a largar os estudos para trabalhar e cresce reproduzindo o mesmo ciclo. A proposta é gerar reflexão sobre oportunidades na construção do futuro.

O segundo vídeo trata sobre a experiência de uma Biblioteca Arca das Letras do Assentamento Angelina em São Paulo, consiste em uma reportagem da Rede Globo local sobre o trabalho desenvolvido pelas agentes de leitura Dona Natalina e sua filha Jaqueline que transformaram sua casa em uma biblioteca rural conhecida e visitada.

Para encerrar, fizemos a leitura do livro Telefone sem fio de Ilan Brenman, livro com lindas imagens com personagens engraçados cochichando um na orelha do outro...


A equipe do Programa Arca das Letras foi dividida em duas para atuar durante os nove dias do evento. Fiquei na primeira etapa juntamente com Maria Dione Ferreira e Leonardo Barros. Deixo a foto abaixo para guardar na lembrança os momentos vividos com os agentes de leitura indígena durante todos esses dias...


O encerramento das minhas atividades se deu com o encontro com o escritor Tiago Hakiy, que durante dois dias destacará a literatura como instrumento da preservação da memória indígena, bem como informações sobre contação de histórias. Uma grande pena não poder estar presente...


Na oportunidade, aproveitei juntamente com minhas amigas para tietar Tiago com seus livros. Fiquei feliz por conhecê-lo. Tiago Hakiy, além de escritor é bibliotecário e amazonense como eu...


Fotos: Soraia Magalhães e Leonardo Barros
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Obrigado pelo seu comentário