BIBLIOTECA DE ALEXANDRIA NO FILME - ÁGORA


ÁGORA (ou Alexandria em versão brasileira), foi lançado em 2009, sob a direção de Alejandro Amenábar e trás a belíssima atuação de Rachel Weisz.

O título original tem por definição o que foi no passado uma praça central alardeada por edificações públicas e mercados nas cidades gregas da Antiguidade clássica. Um lugar de democracia.

Acesse o trailer para ter uma pequena visão da obra!


Quando assisti o filme em 2010, ainda ministrava aulas para o Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e na época pensei levá-lo para uma discussão com os alunos, contudo uma série de dificuldades inviabilizou essa ação.

É uma trama muito envolvente. A versão inspirada na vida de Hypatia, filósofa, astrônoma e matemática nos leva para uma idealização do que pode ter sido a Biblioteca de Alexandria. Se passa num Egito tomado pelos romanos, quando a cidade vive um período de grande agitação em torno de ideais religiosos, avanços do cristianismo, a relação com judeus ortodoxos, o envolvimento com a política, a filosofia e a ciência.

A cena do filme para mim, acontece durante os violentos confrontos sociais e religiosos nas ruas de Alexandria, que culminam com a invasão da Biblioteca levando Hypatia e seus alunos e discípulos, arriscarem suas próprias vidas para salvar os rolos de papiro que guardavam o conhecimento da época.


A Biblioteca de Alexandria foi a maior da antiguidade e por isso mesmo pode ser considerada a mais famosa da História. Vem servido de inspiração e curiosidade para muitos e, talvez, em maior escala para historiados, bibliotecários e estudantes dos cursos de Biblioteconomia por ser sempre citada nas aulas de produção de registro do conhecimento ou outras disciplinas similares.


O filme nos proporciona conhecer uma mulher singular. Hypatia era apaixonada pelo conhecimento e viveu numa época em que as questões religiosas e seus conflitos, trouxeram reflexos drásticos para o avanço da ciência, da democracia, da liberdade e para sua própria existência. A marca principal dessa história é a intolerância.

Vejam e reflitam sobre isso!

Comentários

  1. Gostaria muito de assistir a este filme.
    Barrizes Mafra

    ResponderExcluir
  2. Como não tinha ouvido falar desse filme?
    Sou estudante de biblioteconomia e apaixonada por livros é claro que irei assistir.

    Jéssica
    http://lilianejessica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que o filme Ágora poderia ser utilizado em sala de aula nas disciplinas do Produção do Registro do Conhecimento. Ele gera uma bela reflexão. Sugira para seus professores do curso de Biblioteconomia, Jéssica Rodrigues!

      Excluir
  3. Adorei o filme. E vendo o blog deu vontade de rever essa semana.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CARTAZ DE BIBLIOTECA - DIREITOS DO LEITOR, POR DANIEL PENNAC

Salamanca, algumas bibliotecas em 2021

EU NÃO TENHO O HÁBITO DA LEITURA...