Biblioteca metropolitana Szabó Ervin - Budapeste

Estatísticas provam que toda viagem de lazer de bibliotecários inclui pelo menos uma visita à biblioteca. Normalmente os turistas bibliotecários pesquisam de antemão pelas bibliotecas interessantes da cidade a ser visitada, então qual é a chance de conseguir visitar uma biblioteca maravilhosa inteiramente na base da, como diria Gil, cagada?

Pois eis que estavámos percorrendo as ruas do centro do Budapeste, passando por algumas vielas, quando percebemos alguns jovens com aparência universitária saindo de um grande portão, desses medievais, que você entra encolhido e servem pra proteger do frio. De fora não dá pra ver o que se passa no interior. A curiosidade nos levou pra dentro e de fato era o que parecia ser, um punhado de universitários reunidos em um café. Mas havia também um balcão típico de biblioteca, e imaginamos que deveria ser o pátio e a entrada da biblioteca universitária. Buscamos informações no balcão mas não conseguimos ir adiante por conta da dificuldade da língua, além das catracas que exigiam carteirinha. Estávamos quase desistindo quando optamos por seguir o fluxo maior de pessoas que subiam as escadas na lateral do balcão, sem fiscalização, e ver até onde poderíamos ir antes de sofrer a primeira represália.

E após subir alguns lances de escada, nos deparamos com isso:





 




Pois bem, só depois que cheguei em casa fiz a pesquisa apurada para conhecer a biblioteca, que não constava em nenhum guia tradicional de viagem. É a biblioteca central do sistema de bibliotecas públicas de Budapeste: Fővárosi Szabó Ervin Könyvtár, ou biblioteca metropolitana Szabó Ervin.

A biblioteca na verdade era um palácio, residência de um aristocrata húngaro no final do século 19. O palácio é considerado uma obra-prima da arquitetura húngara neo-barroca. A prefeitura comprou o edifício e converteu as salas do palácio em salas de leitura para a sua nova biblioteca em 1931. A biblioteca leva o nome de Ervin Szabó, um cientista social húngaro, bibliotecário e revolucionário anarco-sindicalista.

As principais alterações do palácio para biblioteca foram: as salas de estar e de serviços foram transformadas em escritórios para os bibliotecários e armazéns para os livros; o grande salão de baile virou sala de leitura; a sala de jantar se tornou a seção de periódicos; os catálogos foram colocados no pequeno salão de baile.

Quem estiver por Budapeste, procure a biblioteca nos mapas. E não se intimide com a recepção e com a necessidade de carteirinha. Use seu passaporte e diga que apenas está querendo dar uma olhada, normalmente dá certo.
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Obrigado pelo seu comentário