"ESQUEÇA UM LIVRO", PRAÇA E DRUMMOND


Era sexta-feira, 23 de janeiro de 2015 quando minha filha Camila e eu passamos por uma pracinha localizada na avenida do Contorno, no bairro Floresta, em Belo Horizonte e nos deparamos com o azulão de um caixote de feira. 


Inicialmente foi o azul que nos chamou atenção, depois a frase do poema "Em face dos últimos acontecimentos" seguido de outra caixa que estampava "E agora José", imediatamente constatamos alegres: havia Drummond em nosso caminho. 


Em um banco da praça haviam alguns livros largados, ao que parece uma iniciativa de incentivo à leitura. Mecanismo simples que pode ajudar pessoas que não tem condições de comprar livros e também apaixonados leitores a encontrar preciosidades. A ideia pode representar um estímulo àqueles que não dispõe mais de espaço para livros em sua casa, a dar uma função digna a esse tipo de suporte de conhecimento. 


Conhecida como BookCrossing a ideia teve origem nos EUA e vem se fortalecendo como proposta que visa instigar pessoas a exercitarem o desapego e deixarem livros em lugares públicos. O livro ao ser encontrado por outros pode ser também  posteriormente "esquecido", criando assim um ciclo que se expande para muitos.

Hoje, 25 de janeiro é o Dia Nacional do Esqueça um Livro. Li que o Felipe Brandão vem instigando essa ideia. Parabéns, Felipe, por seu trabalho!  


Tomara que no meio do caminho de você que está lendo esse post, haja sempre um livro!


Fotos: Soraia Magalhães
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Obrigado pelo seu comentário