8ª SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - SNCT - UMA DAS AÇÕES NO AMAZONAS


A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia pode ser considerada uma das mais importantes atividades realizadas no Brasil voltada para o estreitamento dos laços entre a sociedade em geral e a comunidade científica. Sua função é estimular especialmente crianças e jovens para a compreensão da importância da Ciência, da Tecnologia e da Inovação e seus efeitos. Esse ano, trouxe o tema "Mudanças Climáticas, desastres naturais e prevenção de riscos".


Por que estou postando algo sobre esse evento? Por que, como escrevi no enunciado do Blog, é necessário que além de caçadores de bibliotecas, sejamos caçadores de cultura e, como tive a oportunidade de participar de uma ação muito importante durante a Semana, percebi que também poderia contribuir para divulgar o evento que objetiva em sua essência a popularização da ciência.


Assim como todos outros bolsista do Programa de Comunicação Científica da Fapeam, estive envolvida em uma atividade, pois participei junto com um grupo de pesquisadores e jornalistas de uma expedição à comunidade indígena (etnia Desana) do Tupé como parte da programação da Semana, promovida pelo Museu da Amazônia (MUSA) e a SEMED.

A ideia foi provocar um encontro entre ciência e seus aparatos técnicos e o conhecimento tradicional. Para tal Germano Afonso, astrônomo do Musa e coordenador da expedição, explicou sobre as constelações das etnias indígenas no Amazonas, assim como o pesquisador da UEA Júlio Tota (doutor em Clima e Meio Ambiente), apresentou para crianças e adultos da comunidade, instrumentos de medição de temperatura.

Enquanto explicava, Tota, pediu a uma menina que soprasse um equipamento enquanto os demais acompanhavam seus efeitos. Ao longo de sua exposição deixou claro que a meteorologia pode ajudar na prevenção de desastres naturais.



Na oportunidade, pude conversar com pessoas muito especiais como o Pajé Raimundo, líder do grupo Desana, o pesquisador e Diretor da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, Ildeu de Castro Moreira e o o estudante Jaime Fernandes (Diákara), Desano que cursa Licenciatura Intercultural na UEA.


Bolsista da FAPEAM, Diákara se mostrou motivado pela formação de uma biblioteca em sua comunidade. Eu adorei a ideia e percebi que ao final, todos saímos dessa experiencia com uma sensação de integração de conhecimentos.



Fotos: Soraia Magalhães

Comentários

  1. que experiencia linda, soraia!!! parabens ;)

    ResponderExcluir
  2. Foi uma experiência incrível mesmo...e saí de lá sonhando com uma biblioteca para essa população pois eles não tem...

    ResponderExcluir
  3. Já sonhando com um Ler para Crescer Indígena...uma biblioteca linda!!!
    Um abraço e vamos seguindo em frente!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CARTAZ DE BIBLIOTECA - DIREITOS DO LEITOR, POR DANIEL PENNAC

Salamanca, algumas bibliotecas em 2021

EU NÃO TENHO O HÁBITO DA LEITURA...