THALITA GAMA: PROFISSÃO: BIBLIOTECÁRIA


Thalita Gama é a idealizadora do blog Santa Biblioteconomia, espaço que dialoga com atividades focadas na preparação para concursos públicos da área biblioteconômica. Aprovada no concurso da UNIRIO em 2014, além de atuar como bibliotecária dessa Instituição, tem feito a diferença na vida dos que já passaram por suas orientações, seja por meio dos materiais didáticos produzidos ou pelos cursos preparatórios que vem realizando. Em 2016 passou a integrar a equipe do Class Cursos. A foto que abre esse post consegue dizer muito sobre a Thalita pois ela consegue girar o mundo. Viajante, animada, aventureira faz do seu tempo o que muitos de nós gostaríamos de fazer: trabalhar e viver a vida intensamente. Descubra um pouco mais sobre suas experiências por meio dessa entrevista.
....

1. Conte-nos onde nasceu, cresceu e como foi a sua relação com a leitura nos primeiros anos.

Sou carioca, nasci no centro do Rio de Janeiro, e fui criada em um bairro da Zona Norte chamado Ilha do Governador. Para ajudar na localização seu ponto turístico mais famoso é o aeroporto do galeão (risos). Sou filha única e isso teve um grande impacto na minha relação com a leitura na infância, já que passava muito tempo sozinha, a literatura sempre foi minha companhia. Eu era o tipo de criança que pedia livro e CD no natal. Meu pai é um leitor voraz, desde que eu estava me alfabetizando ele me incentivou a criar o hábito da leitura. Lembro claramente que quando eu estava aprendendo a ler, ele se sentava comigo para ler gibis da Turma da Mônica e nosso acordo era que ele iria ler todos os meninos e eu as meninas. As vezes lia o primeiro capítulo de um livro para despertar meu interesse em terminar o livro todo. 

2. Quando você teve acesso a uma biblioteca pela primeira vez?

Meu pai me levava na biblioteca pública da Ilha do Governador, que funciona até hoje e é uma das maiores do Rio de Janeiro. Adorava andar pelas estantes e ficar escolhendo o que levar...

3. O que lhe motivou a escolher o curso de Biblioteconomia?

Sempre soube que era de Humanas, amava história, literatura, português, detestava exatas na época da escola. Consegui na época do vestibular ir estudar em uma escola de renome com bolsa parcial, minha família nunca foi miserável, mas nossa realidade financeira não tinha ostentação, sempre moramos de aluguel, minha mãe costurava pra fora para conseguir pagar minha escola. A realidade era que se eu não conseguisse entrar na faculdade pública muito provavelmente não teria outra oportunidade de continuar no mesmo cursinho. Minha primeira intenção de profissão era ser jornalista. Porém, observando a realidade dos meus colegas de escola que tinham muito mais condições do que eu, já tinham inglês fluente, intercâmbio, etc e eu ia a pé pra escola pra economizar o dinheiro e poder sair no fim de semana, percebi que lá na frente ia ser muito complicado a realidade do mercado de trabalho em Jornalismo, além de que era um dos cursos mais concorridos do vestibular. Agradeço a Thalita de 16 anos por ter pensado isso e pesquisado outras carreiras. Cheguei em Biblioteconomia pois queria uma área com estágios e boa perspectiva de trabalho. Fui aprovada em 1° lugar no vestibular da UFRJ de 2009, e por ironia do destino, minha nota passaria tranquilamente para Jornalismo. Não me arrependo das escolhas que fiz e me sinto feliz por ter escolhido a Biblioteconomia e hoje consigo trabalhar criando textos, conteúdos e exercendo toda essa parte literária que carrego comigo.

4. Que disciplina mais gostava quando era estudante?

Gostava da parte de fontes de informação, serviço de referência e toda a parte relacionada à memória social, minha monografia foi nessa área inclusive.

5. Que tipo de biblioteca tem mais afinidade (escolar, pública, universitária, especializada, etc)

Trabalho atualmente em uma biblioteca universitária e gosto bastante do contato com os alunos. Gosto de gente e de ajudar. 

6. Conte-nos um pouco de sua trajetória profissional.

Estudei Biblioteconomia e gestão de unidades de informação na UFRJ, durante a graduação fiz 6 estágios diferentes, apenas o obrigatório da faculdade foi voluntários, todos os outros tive bolsa, além disso também tive bolsa de monitoria em catalogação por 2 anos. Nessas andanças estive desde bibliotecas universitárias e escolares, passando pela redação do jornal da UFRJ, e até no museu da favela da Maré. Participei ativamente do Centro Acadêmico, organizei eventos, festas, fui nos EREBD’S e ENEBD’S da vida, em resumo, acredito que aproveitei bem esse período da graduação.

No último período da faculdade comecei a me interessar por concursos públicos. Fiz alguns cursos como português e outros mais específicos da nossa área. Com a grana curta para comprar material, tirei xerox dos principais livros da nossa área que tinham na biblioteca da faculdade. Me formei e passei 3 meses desempregada, usei esse tempo para estudar para concursos e mandei alguns currículos. Fui selecionada para trabalhar no SEBRAE/RJ como bibliotecária, onde fiquei 1 ano e 4 meses. Integrei a equipe de gestão do conhecimento. Foi minha primeira experiência de emprego formal, bater ponto, muitas responsabilidades, projetos e sem dúvida ter tido essa vivencia me ajudou a pensar além da biblioteca como apenas um ambiente cheio de livros. 

Criei o Santa Biblioteconomia em outubro de 2013 já com o pensamento de exercer uma segunda via profissional por alí. Reforço que minha formação na graduação com muitas matérias de administração, marketing, planejamento, com toda a certeza me influenciaram a ter a coragem de criar algo na nossa área. Investi 400 reais na época em uma logomarca e no domínio do site, e durante o primeiro ano o blog era muito mais uma forma de me manter estudando e também ajudar outros colegas. Depois que fui aprovada em alguns concursos e tomei posse no cargo onde trabalho atualmente, comecei a investir na comercialização de alguns materiais. Primeiro foram apostilas, depois os cursos presenciais. Esse papel de professora no início me assustava um pouco e até hoje não me sinto totalmente a vontade no papel de quem ensina. Me sinto muito mais uma facilitadora, pois aprendo muito em todas as aulas e com todos os alunos. Tenho consciência que o diferencial do trabalho que faço é a dedicação que coloco, e faço tudo do jeito que gostaria de receber quando estava na posição de aluna. Sempre fiz tudo sozinha, aluguel de sala, impressão de material, organização das inscrições, resposta a todas as dúvidas por e-mail e mensagens, publicações no blog e nas redes sociais. Consegui levar o curso presencial para São Paulo 2 vezes e fiquei muito feliz com a recepção. Em 2016 fui convidada pelo Class Cursos a integrar o catálogo de cursos deles e montei todo um conteúdo focado para concursos públicos de bibliotecário, esse ano adicionamos um curso para auxiliar de biblioteca também. Atualmente o Santa Biblioteconomia tomou proporções inimagináveis, me tornou conhecida na área e com isso vieram ótimas oportunidades de palestras, cursos e apresentações e bons amigos em todos os cantos desse país. Pretendo continuar dando aula por muito tempo e quem sabe até entrar na academia em um futuro a médio prazo e também investir no canal do youtube do santa biblioteconomia... aguardem (: 

Destaco que gosto de me manter “atualizada” sobre o que acontece na área, acompanho as novas iniciativas, participo sempre que posso do SNBU e CBBD, apresento trabalhos também como uma forma de exercitar meu lado acadêmico. Outros eventos como o Bibliocamp e o FIEB igualmente me marcaram positivamente. Em 2015 ganhei como um dos melhores trabalhos do CBBD e no geral aprecio muito escutar outros bibliotecários e suas visões profissionais, esses eventos me instigam e motivam a crescer profissionalmente.

7. Que conselho daria para uma pessoa que deseja seguir a carreira bibliotecária?

Esqueça a parte de gostar de livro, leitura etc, você precisa gostar de pessoas e de ajudar pessoas. Uma vez escrevi um texto falando que bibliotecários salvam vidas todos os dias, e é exatamente isso. Resolver uma pesquisa, indicar o material correto, economiza tempo e salva MESMO a vida do teu usuário. 

8. Em que momento você desmistificou o fazer bibliotecário, haja vista que a maioria das pessoas ingressa na universidade acreditando que o ambiente de trabalho está condicionado somente a livros e espaços de bibliotecas?

Tive muitos exemplos de colegas veteranos na universidade que se formaram e foram trabalhar como bibliotecários em outros ambientes, admiro e acho que a sociedade como um todo ainda não percebeu o potencial do bibliotecário na organização da informação em todas as suas formas. 

9. Você acha que uma pessoa que escolhe essa profissão tem que gostar de ler? Pode justificar sua resposta?

Não. O hábito da leitura querendo ou não, ainda é muito elitizado no nosso país. Biblioteconomia não é um curso de elite, nossos estudantes nem sempre tem a melhor formação ao entrar na faculdade. Um bom bibliotecário se constrói além da sala de aula e leitura, muito mais na prática, no olhar atento as necessidades do público que está atendendo. Gostar de ler é um bônus, não um requisito.

10. Qual a biblioteca mais fantástica que já visitou e a que sonha ainda conhecer?

No Brasil, amo a Biblioteca de São Paulo, todas as cidades desse país deveriam ter uma biblioteca nesse estilo atendendo a população. Tive o privilégio de conhecer a Biblioteca Pública de Nova York* e considero a mais fantástica em que meus pés já estiveram. A grandiosidade do salão de leitura, aquele teto.... me emociono só de lembrar. Sou a típica bibliotecária que gosta de viajar e conhecer bibliotecas e livrarias, não tenho uma como sonho, mas sim todas as que eu conseguir chegar.

Biblioteca Pública de Nova York

11. Dentre os livros que você já leu, cite um e recomende.

Quarto, da Emma Donoghue, profundo e devastador como toda boa história deve ser.

12. Qual sua opinião sobre o contexto atual da profissão?

Acho graça quando se diz que a Biblioteconomia está em crise. Sinceramente não me recordo de algum momento em que a nossa área não esteve em crise, seja financeira, de identidade ou reconhecimento social. A maior propaganda sobre Biblioteconomia que podemos fazer para a sociedade é executar nosso trabalho da melhor forma possível. Todo mundo que vive nesse universo de literatura, livros, bibliotecas, pesquisas, organização do conhecimento, está ligado a um trabalho de formiga, trabalho de bastidores mesmo. Precisamos sair um pouco do discursos – ninguém me valoriza – e encarar nossos atos e posicionamentos como a grande divulgação que podemos ter. Desconheço pessoas intelectualmente honestas que tendo contato com um trabalho de qualidade vindo de um bibliotecário não o valorizem. 

13. Como você vê a atuação da biblioteca pública de sua cidade? 

Moro no Rio de Janeiro e por aqui tivemos um grande golpe vindo do governo do estado com o fechamento das Bibliotecas Parque. Lamentável e injustificável. Porém valorizo e admiro todos os bibliotecários que se esforçam nas bibliotecas públicas que continuam funcionando, assim como os vários centros culturais da cidade. Infelizmente a cultura no Rio de Janeiro é extremamente setorizada na Zona Sul/Centro da cidade, ainda precisamos de novas e melhores iniciativas na Baixada, Zona Norte, Zona Oeste.

14. Há alguma bibliotecária (o) que você considera fora de série?

Tenho vários colegas de profissão que me servem de inspiração. Aqui vou citar minha professora Mariza Russo que faleceu recentemente. Ela conseguiu ser tudo o que um bibliotecário pode ser: ativa em todos os setores possíveis, lutou muito para que a Biblioteconomia fosse cada dia mais valorizada no Brasil, foi a principal responsável pela criação do curso de Biblioteconomia da UFRJ e eu como bibliotecária formada por essa escola, sou eternamente grata a essa grande profissional. 

15. Do que mais gosta na sua profissão? 

Gosto de ser útil e da parte da pesquisa, de mesmo não sabendo sobre um assunto, ter a certeza de que posso achar a informação necessária.

16. Fique a vontade para fazer seus comentários finais.

Confesso que nunca me imaginei dando entrevista para o Caçadores de Bibliotecas, tô realizando um sonho gente!!!! Agradeço muito o convite e espero em breve ajudar a Soraia mostrando algumas outras bibliotecas desse mundão. A Thalita bibliotecária é apenas uma das inúmeras facetas que tenho em mim, e fico feliz em poder contar um pouco da minha trajetória e visão profissional. 

A Biblioteconomia me deu muito mais do que eu poderia imaginar, só posso ser grata a todos os colegas de profissão que acompanham meu trabalho no Santa Biblioteconomia e que me motivam a ser uma bibliotecária melhor a cada dia. Para quem ainda não conhece deixo o endereço do site: santabiblioteconomia.com



* Post lindo sobre a Biblioteca Pública de Nova York escrito pela bibliotecária Paula Carina de Araújo.

Fotos: Thalita Gama
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Obrigado pelo seu comentário