2017: GRACIAS POR MUITOS APRENDIZADOS


Primeiramente #foratemer. No último dia do ano de 2017, fazendo rápida análise de tudo o que vivemos de maneira geral, o que vem imediatamente ao pensamento são as perdas impostas pelo governo golpista. Ano duro, onde tivemos que assistir mais uma vez chegarem ao poder pessoas sem compromisso com os avanços do país e seus impactos para toda a sociedade.

Do ponto de vista pessoal porém vivi várias experiências significativas e dentre essas destaco a alegria do encontro com amigos e pessoas queridas. Nem todas e todos estão nessas imagens, mas quem é amigo de verdade sabe os bons momentos que passamos e espero que se sintam abraçados e contemplados. 

Foi um ano marcado por muitas viagens, intenso de aprendizados e oportunidades. Deixo abaixo alguns dos pontos significativos:
  • O ano começou com uma das mais lindas viagens que fiz na vida por várias cidades do Amazonas;
  • Em Manaus pude encontrar minha mamãe Iolanda e vários familiares e amigos; 
  • Tive meus filhos juntos a mim em Belo Horizonte;
  • Completei 50 anos de existência e pude festejar em dois momentos;
  • Nos seis meses passados fora do Brasil tive a oportunidade de viver em Salamanca e aprender muitas vezes sozinha como transformar o dia em algo especial. Não foi fácil, mas consegui;
  • Realizei viagem por várias cidades da Espanha e Portugal e uma passadinha em Miami que favoreceu conhecer 2 bibliotecas públicas.
  • Não encontrei meus amigos Shirley Anne, Carril, Astrid, Noraya, minhas primas, e outras pessoas querida, mas estivemos em contato;
  • Ganhei amigas: Pilar, Ana, Kellen. E fortaleci amizades, dentre as quais da minha mana Iara.
  • Foi um ano que dediquei menos tempo aos posts do Caçadores de Bibliotecas, mas visitei muitos lugares, estudei, escrevi, pensei sobre bibliotecas. Hora dessas a tese estará pronta.
  • Fotografei muito.
  • Li muito.
  • Desenhei...
  • Conheci a obra da escritora Gloria Fuertes e fiquei feliz por isso!
Enfim, um ano de muito aprendizado, onde a solidão caminhou comigo. Estudar é um ato muito solitário, mas de quebra, tive a sorte de ter bons momentos junto ao meu escudeiro Peter Janzon, parceiro de tantas aventuras. Eu o agradeço demais por isso!! 

2017 chega ao fim com sabor de superação e de indignação pelas dores do Brasil, por isso, lembrando a expressão dita pela amiga Kellen Guimarães "a Revolução se faz necessária". Eu escolho para o próximo ano a  palavra "fazer"  precisamos fazer acontecer!!! 

Que 2018 traga bons momentos para todos!!!

Fotos: Soraia e Peter Janzon
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Obrigado pelo seu comentário