SELMA LAGERLÖF: NARRATIVAS MARAVILHOSAS


Provavelmente você deve estar se perguntando quem é a mulher da fotografia antiga, contida nesta ilustração. É Selma Lagerlöf, escritora não muito conhecida no Brasil, contudo uma das mais influentes do seu tempo.

Selma era sueca e viveu entre os anos de 1858 e 1940. Foi ela, a primeira mulher a ganhar o Prêmio Nobel de Literatura (1909) por sua produção que envolveu romances, contos, memórias, aventuras e lendas.

Nem todos os seus livros foram traduzidos para a nossa língua, porém é possível encontrar em Português os seguintes títulos:  A Saga de Gösta Berling, O Imperador de Portugal e A Maravilhosa Viagem de Nils Holgersson. Deixo a baixo um pequeno comentário sobre cada um deles e afirmo, são leituras muito prazerosas!

  • A Saga de Gösta Berling, publicado em 1891 foi o primeiro romance de Selma Lagerlöf. Trata-se de uma história épica, cercada de passagens românticas e de realismo mágico. Narra as ações do belo e irresponsável Gösta Berling, ex-padre que tendo sido salvo de morrer congelado na neve por uma rica proprietária de terras, passa a viver na propriedade dessa mulher junto a um grupo de ex-nobres chamados de “Os doze cavaleiros”. A beleza de Gösta Berling, a paixão que desperta nas mulheres, as necessidades de empenho junto aos trabalhos e as nuances da zona rural sueca são envolventes. A obra foi transformada em filme em 1924, com Greta Garbo no elenco.
  • A Maravilhosa Viagem de Nils Holgersson, data de 1906, foi um livro que nasceu a partir de uma encomenda. Professores suecos imaginaram que Selma poderia escrever um história que contasse sobre as regiões do país e pudesse ser usado nas aulas de Geografia para as crianças. Selma criou uma narrativa envolvente que conta as aventuras vividas pelo menino Nils, que a princípio preguiçoso e insensível, ao se comportar mal com um duende é castigado tendo seu tamanho reduzido, passando a ser chamado inclusive de Pequeno Polegar. Essa condição lhe possibilita viajar nas costas de um ganso doméstico junto a uma turma de gansos selvagens por sobre várias regiões da Suécia. O livro trás grandes lições sobre amizade, solidariedade, respeito a natureza e aos animais. Prazerosa leitura, sobretudo para os adultos.
  • O Imperador de Portugal, foi publicado em 1914. Conta a história de Jan, camponês que percebe pela primeira vez seu próprio coração batendo ao tomar em seus braços, sua filha que acabara de nascer. É o começo de um grande e fervoroso amor de um pai por sua filha, mas é também um drama que retrata os problemas sociais da vida no campo na Suécia. Quando a filha precisa ir para Estocolmo em busca de dinheiro para saldar dívidas da casa em que mora com seus pais, Jan cria um mundo paralelo e passa a imaginá-la como uma imperatriz. Ele, por conseguinte, se torna o imperador já que em seu desvario é pai de uma nobre. Um livro carregado de emoção.
Gostaria que Selma Lagerlöf fosse mais conhecida no Brasil. A autora, além de ter criado uma produção admirável, desenvolveu atuação feminista, tinha sensibilidade e respeito pelo direito dos animais e foi ativista ajudando pessoas durante o início da Segunda Guerra mundial, tendo inclusive doado sua medalha do Prêmio Nobel para arrecadar fundos para a causa.

Faz poucos dias do meu regresso da Suécia e já sinto saudade de tantas experiências positivas vividas nessas terras, dentre as quais muitas leituras. Jamais esquecerei as narrativas de Selma...Ela se transformou em uma das minhas autoras favoritas!

Ilustração: Soraia Magalhães
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Obrigado pelo seu comentário