PRIMEIRO CENSO NACIONAL DAS BIBLIOTECAS PÚBLICAS MUNICIPAIS



É importante que tomemos conhecimento de pesquisas dessa natureza, tendo em vista que elas demonstram o descaso de muitos dirigentes políticos com a cultura em seus municípios. 

É importante que todos adotemos atitudes críticas e conscientes de nosso papel enquanto profissionais da informação pois em breve estaremos diante da possibilidade de decidir um outro futuro político para o nosso país. Tomara fazermos as melhores escolhas.



SOBRE O CENSO:

O 1º Censo Nacional das Bibliotecas Públicas Municipais mostra que, em 2009, 79% dos municípios brasileiros possuíam ao menos uma biblioteca aberta, o que corresponde a 4.763 bibliotecas em 4.413 municípios. Em 13% dos casos, as BPMs ainda estão em fase de implantação ou reabertura e em 8% estão fechadas, extintas ou nunca existiram. Considerando aquelas que estão em funcionamento, são 2,67 bibliotecas por 100 mil habitantes no país.

O levantamento aponta que as BPMs emprestam 296 livros por mês e têm acervo entre dois mil e cinco mil volumes (35%). Quase a metade possui computador com acesso à Internet (45%), mas somente 29% oferecem este serviço para o público. Os usuários frequentam o local quase duas vezes por semana e utilizam o equipamento preferencialmente para pesquisas escolares (65%). Quase todas as bibliotecas funcionam de dia, de segunda à sexta (99%), algumas aos sábados (12%), poucas aos domingos (1%). No período noturno, somente 24% estão abertas aos usuários. A maioria dos dirigentes das BPMs são mulheres (84%) e tem nível superior (57%).

Foram pesquisados todos os 5.565 municípios brasileiros. Em 4.905 municípios foram realizadas visitas in loco para a investigação sobre a existência e condições de funcionamento de BPMs, no período de setembro a novembro de 2009. Os 660 municípios restantes - identificados sem bibliotecas entre 2007 e 2008 pelo Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas e atendidos pelo Programa Mais Cultura com a instalação de BPMs - foram pesquisados por contato telefônico, até janeiro deste ano.

O Censo Nacional tem por objetivo subsidiar o aperfeiçoamento de políticas públicas em todas as esferas de governo – federal, estadual e municipal – voltadas à melhoria e valorização das bibliotecas públicas brasileiras. Segundo o levantamento, em 420 municípios as BPMs foram extintas, fechadas ou nunca existiram. O MinC - por meio da Fundação Biblioteca Nacional, com recursos do Programa Mais Cultura - em parceira com as prefeituras municipais, promoverá a implantação ou reinstalação dessas bibliotecas, com a distribuição de kits com acervo de dois mil livros, mobiliário e equipamentos, no valor de R$ 50 mil/cada, totalizando R$ 21 milhões. As BPMs receberão, ainda, Telecentros Comunitários do Ministério das Comunicações.

Fonte: http://www.cultura.gov.br/site/2010/04/30/primeiro-censo-nacional-das-bibliotecas-publicas-municipais/

Imagem: Soraia Magalhães
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

2 comentários

Clique aqui para comentários
manuella
admin
8 de maio de 2010 11:53 ×

Manuella

Infelizmente essa é a realidade do país, onde as políticas públicas existem mais não se fazem presente em todos os estados para mudar essa situação, o Minc desenvolve muitos projetos de incentivo a leitura, criação de bibliotecas, em relação não somente ao livro mais a arte, cultura em geral, não depende apenas do Ministério em desenvolver estes projetos e disponibilizar verba, depende dos próprios governantes em desenvolverem esses projetos nos estados, e assim fazer um Brasil de leitores.
Na região norte, a situação já se tornou precária, todos essas fatores não dependem somente dos poderes públicos, mais da sociedade em querer mudar essa situação, e principalmente de nós bibliotecários enquanto disseminadores de informação.

Uma matéria que tem relação sobre o seu poste professora, onde a Presidente do Conselho Federal fala sobre este Censo.

"Para a presidenta do Conselho Federal de Biblioteconomia (CFB), Nêmora Arlindo Rodrigues, mesmo que tarde, é preciso que o país encare o problema como “um desafio a ser superado”. Segundo Nêmora, além dos problemas já citados, o governo precisa dar uma atenção maior para a qualificação de quem trabalha nesses locais. A pesquisa mostra que apenas 57% desses profissionais têm ensino superior e 52% não têm capacitação para trabalhar como bibliotecário. “No entanto, faltam pessoas qualificadas para dinamizar essas bibliotecas. Precisamos que elas estejam organizadas, dinamizadas e sejam um centro de convivência. Só assim a comunidade será atraída e entenderá o local como um espaço seu, não só de estudo, mas também de lazer e de convivência”, destacou.

“Agora nada disso adianta, se os municípios não oferecerem bibliotecas de verdade, com espaços dinâmicos para as pessoas criarem o hábito, que tem que começar na infância. Se a família não tem esse hábito, se a escola e as bibliotecas não fornecem, como vamos conquistar essa rotina? Não tem jeito. Mas temos que lutar para não acabar com essa possibilidade”, protestou a presidenta da CFB.

Fonte: http://http://www.cultura.gov.br/site/2010/05/07/biblioteca-lazer-ou-apenas-obrigacao/

Biblioteca não é apenas um lazer e nem uma obrigação, biblioteca é desenvolver, criar, construir.

abs.

Responder
avatar
11 de maio de 2010 10:41 ×

Obrigada por por seu comentário Manuela. O que me motiva é ver que apesar de tudo há uma parcela de pessoas que estão lutando...e vibrando por mudanças. Isso é muito importante.

Responder
avatar
Obrigado pelo seu comentário